Arquivo

Archive for Setembro, 2013

Qual a diferença entre MBR e GPT?

16 de Setembro de 2013 Deixe um comentário

Com a introdução do Windows 8 e com a adopção da problemática interface UEFI – (EFI (Extensible Firmware Interface) Unificado) concebida para substituir a tradicional BIOS (Basic Input/Output System), houve também uma mudança no modelo de particionamento do disco rígido.

“MBR” ou “GPT são os modelos agora disponíveis, sendo que, apesar de arquitecturas diferentes, o GPT é considerado quase uma evolução do MBR.

Mas Qual a diferença entre MBR e GPT?

mbr_gpt

Partições nos discos rígidos

Em tempos apresentamos aqui um artigo muito completo sobre como particionar o disco. Na prática, particionar é o acto de dividir um disco rígido em múltiplas unidades lógicas (partições), isto é, como se múltiplos discos existissem dentro do disco físico. Mas qual a estrutura de particionamento do disco? MBR (Master Boot Record) ou GPT (Guid Partition Table).

Master Boot Record (MBR)

O MBR é um standard antigo, que todos certamente conhecem, e que define a estrutura das partições, mantendo a informação sobre como as partições lógicas estão organizadas no disco. Usando esta estrutura, há mais limitações do que propriamente vantagens.

  • Um disco pode dividir-se num máximo de 4 partições primárias (Para contornar esta limitação é possível dividir o disco até 3 partições primárias e 1 partição estendida). Uma partição estendida pode dividir-se em múltiplas partições lógicas. Cada partição primária e lógica tem a sua própria letra de drive.
  • Como o MBR usa 32 bits para guardar informações da partições, cada partição apenas pode ter um tamanho máximo de 2 TB
  • Toda a informação das partições é guardada apenas num único local (..se o MBR ficar corrompido…)

mbr

Guid Partition Table (GPT)

A estrutura GPT (Tabela de Partição Guid) é um novo layout relativo a particionamento de disco rígidos. O GPT traz muitos benefícios comparativamente ao tradicional MBR (Master boot record), dos quais se destacam:

  • Suporte para partições acima dos 2 TB (ou seja, 2^64 blocos, um máximo de 1 ZB). De referir que no Windows, devido ao sistema de ficheiros NTFS, este tamanho está limitado para 256TB
  • Apesar de poderem ser criadas um número ilimitado de partições, o GPT “apenas” suporta 128 partiçõesprimárias
  • Melhor estrutura/organização ao nível das partições
  • Possui mecanismos para detecção da dados e partições corrompidas
  • Aumenta a probabilidade de recuperação de dados, na existência de sectores do disco danificados, uma vez que tem um cabeçalho secundário (Secondary GPT Header) que funciona como backup da tabela de partições.
  • O campo Protective MBR funciona ao estilo do MBR, mas com suporte para 64 bits. Esta área funciona como como “mecanismo” de retro compatibilidade.

gpt_00

O modelo GPT é actualmente suportado pela maioria dos sistemas operativos. De referir, que no caso do windows, apenas as versões a 64 bits suportam este esquema de partições.

Como vimos, o GTP traz melhorias significativas comparativamente ao tradicional MBR e é este o único modelo de partições suportado quando activamos a interface UEFI. Num próximo artigo iremos ensinar a converter de MBR para GPT.

Já optaram pelo “novo” modelo de partições GPT ou ainda usam o antigo MBR?

Um artigo de Pedro Pinto muito interessante, na Pplware

Anúncios
Categorias:Informática Etiquetas: